sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

E dá-lhe RCC

Olha, sinceramente, eu até que tento deixar o catolicismo romano em paz, mas é que eles conseguem se superar cada dia mais.

Fazer um juízo crítico do catolicismo romano tradicional já perdeu a graça, mas os caros amigos da Renovação Carismática Católica, talvez por se exporem mais, acabam por sempre nos conceder motivos de boas risadas. Eles simplesmente ainda continuam dissilábicos em suas “línguas estranhas” (a alfabetização pneumatológica parece em crise por lá). É um tal de “lalariê, lalariê, lalariê...”, e não sai disso, lembrando inclusive aquela famosa música da Xuxa. E esta não é a primeira vez que faço este comentário em meu blog.

É público e notório, para o mais simples conhecedor da Bíblia, que línguas estranhas são línguas mesmo, línguas completas, sejam elas de outras nações ou angelicais. O que vemos na RCC com certeza não provém do Espírito Santo, até mesmo por outra simples razão que os impedem de receberem o genuíno batismo com o Espírito Santo, a qual nós sabemos muito bem qual é.

Outro fato que me chamou a atenção em um programa deles hoje pela manhã, foi que uma pessoa disse: “batiza Espírito Santo!”; pensei que tivesse sido um pequeno equívoco, mas para confirmar sua falta de entendimento em um assunto tão básico, ele repetiu mais na frente: “batiza Espírito Santo com...”, quando chegou no “com” ele deu uma pausa, pois percebeu que iria fazer uma afirmativa absurda, que seria pedir pro Espírito Santo batizar com Espírito Santo, ou seja, Ele batizaria uma pessoa com Ele mesmo! Oras, o mais simples conhecedor bíblico do assunto sabe que quem batiza com Espírito Santo é Jesus (Mt 3:11; Mc 1:8; Lc 3:16), e não o próprio Espírito Santo.

É realmente louvável a intenção que os carismáticos tem em promover um crescimento teológico e bíblico no seio romanista, mas por essas e outras percebo que a famosa afirmativa que diz que “Roma será sempre a mesma” é realmente uma verdade. Que pena. Creio que a idolatria seja o maior mal que impede uma ação de Deus no seio dos amigos católicos romanos. Além do mais não podemos esquecer da profecia de Apocalipse 17, o que nos faz lembrar quem é a Igreja Católica Romana no plano escatológico, e nos faz voltar de vez pra realidade, a qual na verdade não se pode mudar.

Oremos, pois, não pela instituição, a qual já está condenada, mas pelos amigos católicos, os quais ainda tem esperança.

Com amor,

Anchieta Campos

10 comentários:

Josélio disse...

Sou da AD, mas não vejo, com rara exceção, muita diferença das linguas extranhas praticadas na AD para as praticadas na RCC.

O que dizer de kantalabaia, ou de kantarabachéia.

Josélio

Dc DANIEL FILHO disse...

A PAZ DO SENHOR JESUS, AMADO IRMÃO.
TIVE A IMENSA SATISFAÇÃO EM PODER COMPARTILHAR AO LONGO DO ANO DE 2008, COM SUA OPINIÃO E AMIZADE E ESPERO CONTINUAR CONTANDO COM A SUA FORÇA E CRÍTICA, SEM FALAR DAS ORAÇÕES, PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CONTINUAR COM NOSSO HUMILDE TRABALHO EM PROL DO EVANGELHO DO REINO DE DEUS.

TENHA UM 2009 REPLETO DE FELICIDADES, SAÚDE E PAZ JUNTO COM TODA SUA FAMÍLIA.
UM GRANDE E FRATERNO ABRAÇO DO SEU IRMÃO EM CRISTO, DC DANIEL FILHO.

Anchieta Campos disse...

Caro Josélito, a paz.

Compreendo seu comentário. Não defendi as infantilidades que muitos assembléianos fazem (pois o engodo opera também em nosso meio), mas apenas quis demonstrar que a RCC não pode, em hipótese alguma, ser morada do Espírito Santo.

Abraço.

Anchieta Campos

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Daniel, a paz do Senhor.

Obrigado por suas ricas palavras. Faço uso das mesmas e as direciono ao amado irmão.

Forte abraço caro amigo.

Anchieta Campos

Josélio disse...

A paz do Senhor.

Entendi que o seu texto não defendeu as infantilidades, que por sinal foi um bom texto, prabens!

Agora dizer que em hipótese alguma a RCC não pode ser morada do Espírito Santo acho radical demais, pois, afinal de contas, o vento sompra onde quer.

No entanto, muita coisa precisa mudar na RCC, ah! isso precisa.

Em Cristo que tudo pode.


Josélio

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Josélio, a paz do Senhor.

Jesus foi bem claro ao afirmar que o mundo, ou seja, aqueles que não se converteram verdadeiramente a Ele, não poderia receber o Consolador (o Espírito Santo), por conseguinte não teriam como receber os dons espirituais do Mesmo. “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós” Jo 14:16,17. E é de conhecimento de todos os leitores honestos das Sagradas Escrituras que os caros amigos católicos romanos não são crentes verdadeiros no Jesus bíblico e em Sua Palavra, por inúmeros, mas inúmeros motivos mesmo, principalmente os doutrinários.

Os dons do Espírito Santo, na verdade, não são só para as igrejas protestantes, na verdade os dons espirituais não são para igreja/instituição alguma! Os dons do Espírito Santo são para os crentes fiéis que buscam e esperam no Senhor (At 1:4; 2:1-4; 1 Co 12:31), e como bem já foi citado aqui, os dons do Espírito Santo são precedidos pela conversão (Jo 14:16,17), sendo que somente os que obedecem a Deus podem recebê-lo (At 5:32). Portanto, os católicos romanos não podem receber do Espírito Santo, pois estão debaixo de heresias e da idolatria, faltando conversão e obediência à Palavra de Deus.

Por fim, a passagem de Jo 3:8 não trata do Batismo com Espírito Santo, mas de salvação, mais especificamente sobre a nova natureza do crente e a interatividade deste com o Espírito Santo.

Forte abraço.

Anchieta Campos

Cláudio disse...

Por isso que não sou de religião alguma, pois religião e igrejas só causam conflitos e desavensas entre a humanidade, e hoje as guerras mais longas são religiosas. Os homens só pensam em ser melhores que os outros de alguma forma.

Anchieta Campos disse...

Caro Cláudio, saudações.

Seu raciocínio é pobre. Se formos pensar como você, deveríamos também não sermos de país algum, pois a grande maioria da guerras que vemos hoje são movidas estritamente por motivos políticos e econômicos. Também não deveríamos ser torcedores de nenhum time de futebol, pois são muitas as batalhas entre torcidas rivais. E são muitos os exemplos.

Não estou aqui defendendo religião A ou B, pois religião alguma tem o poder de levar o homem a salvação eterna, mas quero lhe dizer que não é somente a religião que causa coisas más, e também não é somente ela que causa coisas boas. O cerne da questão não é o meio, mas sim quem os usa para torná-lo algo bom ou ruim humanamente falando.

No demais, o cristianismo em sua essência repudia a violência e defende a liberdade de expressão e fé de todos. Em suma, ele assume para si o caminho da salvação, mas não obriga nem constrange a todos os seguirem. É uma questão de livre escolha de cada um, a qual é respeitada.

Note que não há agressão física e nem moral alguma em se debater pontos doutrinários divergentes entre os credos. É a mesma coisa dos debates forenses nos campos universitário e prático entre os advogados, promotores, juízes e doutrinadores. Eles em muitos casos divergem entre si, mas não há violação de direito de nenhuma das partes.

Abraços.

Anchieta Campos

Claudio disse...

Vc tem razão! não está defendendo uma religião A ou B, mas sim ironizando-as, e população de um país sempre se acha melhor que a de outro, torcida de futebol sempre acha seu time melhor que o outro e muitas vezes se agridem por isso, e vc está desinformado ou está se fazendo de bobo em dizer que as causas das longas guerras são políticas, pois até minha tataravó sabe que são religiosas como nos conflitos do oriente médio. O homem precisa disso para massagear seu ego, e a natureza do homem querer ser melhor que os outros. Eu pelo menos assumo o que falo! E não fico distorcendo suas próprias palavras como vc faz nas suas respostas aos comentários.

Anchieta Campos disse...

Cláudio,

Creio que meu comentário anterior responde a este seu último comentário.

Qual o mal que se há em debater e mostrar o fundamento de um pensamento, bem como a ilógica de outro contrário? Não é isto que a ciência faz? Não é isto que os juristas fazem? Não é isto que os economistas fazem? Não é isso que os políticos fazem? Não é isto que amantes de algum esporte fazem? Não é exatamente isso que você está fazendo aqui em meu blog? Quer dizer que todos os seguimetos podem ter estes embates no campo ideológico, mas o seguimento religioso não pode?

Oras, oras meu caro, posso discordar da linha política de um petista, mas concordar com sua índole e moral, como pessoa. Não é criticar pessoas, mas idéias, filosofias, instituições e suas doutrinas. Vedar esta análise respeitosa de pensamentos contrários é o mesmo que se fazer apologia a ignorância, e ser contrário a disseminação do saber e da evolução intelectual dos indivíduos.

Não é questão de querer ser melhor do que os outros, mas de saber o que se está seguindo e o por que de seguir, seja em qualquer área do saber que for.

Por fim, creio que as guerras religiosas se restringiram mais até a Idade Média, onde se matava e guerreava primordialmente por motivos de crenças. O caso particular do Oriente Médio tem também a parte religiosa sim, mas creio que com o mesmo peso existe a questão da terra. Se fosse possível dividir a terra de modo que agrade a ambos os lados (praticamente uma utopia), com certeza haveria um clima de maior segurança e paz entre dois povos de religiões distintas.

Anchieta Campos