domingo, 7 de setembro de 2008

A Bíblia apóia o comunismo?

Um tempo atrás um irmão de uma cidade aqui vizinha chegou para mim e disse: “irmão Anchieta, Deus me revelou que o irmão deve doar a sua moto para o grupo de evangelização de nossa igreja”. Qual a minha resposta? “Meu irmão, quando Deus revelar a mim também eu dou a moto pra igreja”.

Outro irmão chegou uma vez pra mim dizendo que o crente não pode ter dois carros, pois isto é ajuntar tesouros na terra; eu olhei para ele e perguntei: “então você quer que o irmão Fulano dê um dos carros dele pra você que não tem nenhum, é isso?”.

Citei estes dois fatos na inicial deste artigo para preparar o terreno para esta pergunta: a Bíblia apóia o comunismo?

A resposta? Claro que não!

Tomando por base passagens como At 2:44,45; 4:32,34,35, Mt 19:21; Lc 3:11; 12:33, os defensores do comunismo distorcem a sistemática bíblica.

As passagens de Atos não impõem nenhuma regra de doação, sendo que a própria passagem de At 5:4 demonstra o poder que os discípulos tinham sobre as suas propriedades. A Igreja Primitiva doava não por obrigação bíblica, mas por ato de pura voluntariedade e de uma comunhão sem igual.

“O fato de mais tarde Barnabé ser destacado por vender uma propriedade indica que esta prática não é algo que todos os crentes fazem (At 4.36,37). Os novos crentes estão dispostos a compartilhar suas possessões quando surgem necessidades (v. 45). O termo comunismo não descreve esta prática. Antes, eles estão expressando amor espontâneo, e é completamente voluntário”. (ARRINGTON, 2003, p. 640).

A passagem do jovem rico (Mt 19) não denota, em hipótese alguma, que Jesus queria de verdade que o jovem vendesse todos os seus bens. Em sua primeira reposta ao jovem, que queria saber o que fazer para herdar a vida (v. 19), Jesus não mencionou o fato dele ter que vender tudo e repartir com os pobres, mas citou os mandamentos fundamentais da lei (vs. 17-19). Apenas em uma segunda abordagem, logo após o jovem dizer que cumpria tudo mencionado por Jesus e perguntar o que ainda lhe faltava, é que Jesus faz a afirmação “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me” (v. 21). Jesus disse “se queres ser perfeito”, e não “se queres se salvar”. No demais, Jesus apenas quis mostrar que o coração do jovem estava em seus bens e não em Deus, sendo que, quando desafiado pessoalmente pelo próprio Deus a vender os seus bens e segui-Lo, o jovem retirou-se entristecido, pois possuía muitos bens (v. 22). Por final o próprio Cristo mostrou aos discípulos incrédulos que é possível um rico se salvar (v. 26).

“É verdade que Jesus ordenou a um jovem governante rico que vendesse os seus bens e desse o dinheiro aos pobres (Lc 18.18-30), mas a razão para a ordem era testar a fé, e não forçar um nivelamento social e econômico. [...] Jesus disse: ‘Porquanto sempre tendes convosco os pobres, mas a mim não me haveis de ter sempre’ (Mt 26.11)”. (PFEIFFER; VOS; REA, 2006, p. 440).

A passagem de Lc 3:11, onde João Batista diz que “Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, faça da mesma maneira”, demonstra o cuidado social que temos que ter com os próximos, mas não um comunismo absoluto. João ensina a tratarmos de necessidades vitais dos outros (túnica = vestimentas, guardar-se das noites frias...; alimentos = essencial para a sobrevivência humana, cf. Lc 12:22,23 e 1 Tm 6:8), não de todos os quesitos de uma vida econômica e social, pois estaríamos incentivando a ociosidade e vagabundagem, algo que a própria Bíblia condena (Pv 12:11; 16:26; 21:25; 28:19; 2 Ts 3:10-12).

A sentença de Jesus em Lc 12:33 “Vendei o que tendes”, não nos ensina a vendermos tudo quanto temos e darmos aos pobres. Jesus diz isto logo após tratar do cuidado exagerado para com a vida material, tendo demonstrado que Deus sempre providenciará todas as nossas necessidades básicas e vitais (vs. 24-30). Esta sentença de Jesus veio com o fim de reforçar o ensino da confiança total na providência e cuidado de Deus, bem como no mesmo sentido do jovem rico, qual seja, expor qual o tesouro que tem o coração do homem, Deus ou os bens materiais (v. 34). É um fato bíblico que Jesus usava os bens e riquezas materiais para expor se o coração dos seus ouvintes estava voltado e cativo para Deus ou para a riqueza efêmera desta vida, sendo que a prova de um coração devoto a Deus não está apenas no desapego aos bens materiais, mas também e principalmente em amá-Lo e segui-Lo de todo o coração (Pv 11:20; Jo 4:23; 1 Tm 1:5; 1 Pe 1:22).

“Um dos resultados foi a prontidão dos crentes em partilhar seus bens uns com os outros. Isto se tornou prática comum entre os crentes. O verbo está no imperfeito e podia ser traduzido assim: ‘continuavam a usar todas as coisas em comum’. Para esses cristãos a espiritualidade era inseparável da responsabilidade social (Dt 15.4s; At 6.1-6; 11.28; 20.33-55; 24.17 ss)”. (WILLIAMS, 1996, p. 77).

Por fim, a oferta do arrependido rico Zaqueu fora reconhecida por Jesus, qual seja, dar METADE dos seus bens aos pobres (Lc 19:8), tendo o próprio Jesus dito no verso seguinte “Hoje veio a salvação a esta casa” (v. 9). Jesus não mandou Zaqueu vender todos os seus bens e dar aos pobres. Lembremos também das palavras de Paulo em 1 Tm 5:8 que diz “Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel”, logo devemos ter responsabilidade para com a nossa família, sustentado nossa casa, bem como o marido a esposa (Ef 5:29), e para tudo isto é necessário termos nossos próprios meios financeiros e materiais, não podendo nós nos desfazermos de tudo, pois não teríamos como cumprir com os próprios ensinos e princípios bíblicos.

Citemos ainda que a Bíblia relata que muitos crentes foram agraciados por Deus e tiveram fartura de bens, foram ricos mesmo, como Abraão, Jacó, José, Davi, Salomão, Jó, Zaqueu, José de Arimatéia, Filemom e tantos outros, mas a Bíblia não mostra nenhum deles vendendo tudo que tinham e dando para os pobres e necessitados.

Repito: devemos ter cuidado sim para com os nossos próximos e irmãos em fé (a estes principalmente), mas cuidado não é nivelar economicamente e socialmente. A Bíblia diz “que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus” Ec 3:13. Não é justo, e Deus sabe disso, que aquele homem que trabalha e se esforça, reparta todos os seus bens e comodidades com aquele que não trabalha e é total dependente do trabalhador. Lembremo-nos da lei da semeadura. É isto.

Encerro com as palavras do pastor e escritor Altair Germano (editor do http://altairgermano.blogspot.com), “Não sou favorável a igualdade econômica. Prefiro a igualdade de oportunidades, que embora também utópica nesta sociedade corrompida pelo pecado, é a mais próxima dos ideais de justiça social”.

Anchieta Campos

6 comentários:

carloshenrique disse...

Bom, Anchieta, um ótimo artigo. Só vou acrescentar umas coisas que eu acho muito importante.
Quando lá em Atos se fala "que tinham tudo em comum", não se fala apenas de bens materiais, Se olharmos bem o contexto desse "e tinham tudo em comum", veremos que tinham em comum a fé na ressurreição de Cristo, a crença em um único Deus verdadeiro e justo.
Tinham em comum o participar da Ceia do Senhor, o batismo nas águas, o Batismo do Espírito Santo e a liderança na Igreja dos Apóstolos, que orientavam a toda a Igreja.
E portanto, nada que seja comparável ao comunismo. E, além disso, não era um grupo político ou econômico que tinha objetivos de alçar ao poder político e de governar uma nação.
Portanto, nada que se possa comparar ao comunismo que é um sistema político e econômico, e ainda por cima ateu e que nega a Deus, basta ver os exemplos da ex União Soviética, e das atuais China, Cuba e Coréia do Norte aonde os cristãos são perseguidos pelos governos comunistas destas nações.

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Carlos Henrique, a paz do Senhor!

Ótima intervenção! Não há nem o que complementar.

É bom vermos que existem crentes/leitores que entendem o que o artigo quer passar. Comentários que nem o do amado irmão nos motivam sobremaneira

Abraços fraternos!

Anchieta Campos

Daladier Lima disse...

O comunismo (na verdade o socialismo) só deu certo nos kibutzim israelenses. Cuba, China, Coréia do Norte entre outros são cenas farsantes dos ditadores de plantão. A Bíblia para eles é um entrave porque prega a justiça social para todos. O que os mandatários não querem. Eles preferem mandar para os campos de trabalho forçado quem se lhes opõe.

Parabéns, pelo excelente post.

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Daladier, a paz do Senhor.

Sua presença neste humilde espaço será sempre bem-vinda.

Realmente o comunismo não passa de uma faceta e ferramenta do mal. Justiça social é honrar os méritos de cada um, ajudar e ensinar os que não tem peixe a pescar (e não dar o peixe pronto para comer), e, em casos extremos, alimentar e prover as necessidades básicas daqueles que não tem a mínima condição de se susterem no momento.

Abraços e obrigado pela visita e apoio. Deus o abençoe.

Anchieta Campos

Francivaldo Jacinto disse...

Caro irmão Anchieta,a paz do Senhor!

Parabéns, pelo excelente artigo.
Que além de esclarecedor,está totalmente baseado nas Sagradas Escrituras.

Abraços fraternos!

solascriptura-pb.blogspot.com

Anchieta Campos disse...

Caro amigo e irmão Francivaldo Jacinto, a paz do Senhor.

Fiquei muito feliz ao ver de volta a blogosfera evangélica, lugar de onde nunca deverias ter se ausentado, pois é um excelente escritor e apologista da nossa fé bíblica, digo isto sem hipocrisia alguma, Deus conhece.

O comunismo realmente não passa de uma farsa, uma farsa que tem aparência de uma devoção voluntária, mas não passa de mera filosia barata e de uma enganação e opressão só.

Abraços fraternos meu caro irmão.

Deus te abençoe sempre.

Anchieta Campos