sábado, 29 de março de 2008

É errado usarmos o termo “presidente” para pastores?

É de pleno conhecimento dos assembléianos (pelo menos penso que seja) que a nossa denominação costuma usar o termo “presidente” para designar os pastores das nossas igrejas, principalmente os das grandes igrejas, localizadas em cidades importantes de determinada região de um estado. Particularmente em minha igreja, a Assembléia de Deus em Pau dos Ferros-RN, a qual é a sede do respectivo campo (com 10 cidades ao todo), usamos o termo pastor-presidente para o nosso pastor (o qual é supervisor do já citado campo), tanto em nível local como no sentido de nível regional (campo). Usamos do mesmo modo o termo para o pastor-presidente do estado do Rio Grande do Norte (IEADERN), bem como para o nosso pastor-presidente a nível nacional (CGADB).

Agora fica a pergunta: é errado usarmos estes termos (presidente, supervisor) para os pastores que se encontram em uma situação de maior destaque em questão de liderança? Estaria ocorrendo uma inversão de valores? O espírito de humildade e servidão do verdadeiro cristão (especialmente dos líderes) estaria sendo afetado? Enfim, contraria-se a Bíblia Sagrada o uso destes termos?

Sinceramente, não vejo mal algum no uso destes termos nas situações supracitadas. A Bíblia é cheia de referências onde se aparece o uso do termo “presidente” (1 Sm 19:20; 2 Cr 8:10; 19:11; Ne 11:16,21; 13:4; Jr 20:1); o próprio Deus designou a Davi como presidente (1 Re 8:16). Presidente é aquele que preside, que rege, que governa; o próprio Deus colocou a lua para presidir a noite e o sol para presidir o dia (Sl 136:9).

No Novo Testamento nós vemos recomendações de Paulo em Rm 12:8 “Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria” e em 1 Ts 5:12,13 “E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; e que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós”. A Bíblia ainda nos recomenda a obedecermos aos nossos pastores (Hb 13:17), além de nos ensinar a dar honra duplicada aos que governam bem “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina” 1 Tm 5:17, e darmos honra a quem se deve honra (Rm 13:7). Não é errado o homem receber honra, o próprio Deus honra aos seus (Jo 5:44; 12:26); o próprio Paulo recebeu honras (At 28:10).

Lembremo-nos de Jesus, que mesmo sendo o maior exemplo de humildade e bom trato para com os seus que o mundo já viu, se autodenominou de Senhor e Mestre (Jo 13:13,14), bem como Paulo se reconheceu como Apóstolo que era (Rm 1:1; 11:13; 1 Co 1:1; 9:1,2; 2 Co 1:1; 11:5; Gl 1:1; Ef 1:1; Cl 1:1; 1 Tm 1:1; 2:7; 2 Tm 1:1,11; Tt 1:1), assim como Pedro (1 Pe 1:1; 2 Pe 1:1; 3:2), que também se reconheceu como presbítero (1 Pe 5:1), como também João se reconheceu como presbítero (2 Jo 1:1; 3 Jo 1:1). Por fim, é claro que a recomendação de 1 Pe 5:2,3 (bem como outras) deve ser observada por estes homens que ocupam cargos eclesiásticos de maior destaque.

Portanto, não é errado, algo carnal, ou muito menos pecado o uso de termos como presidente e supervisor para pastores que estão verdadeiramente nestas situações.

Anchieta Campos

2 comentários:

ADRI disse...

Saudações fraternas meu irmão em Cristo!

Gostaria de saber se você pode ajudar a esclarecer um pouco o mistério da Trindade Santa.

A paz esteja contigo!

Anchieta Campos disse...

Adri, saudações em Cristo.

Tenho três estudos publicados sobre a Trindade:

http://anchietacampos.blogspot.com/2007/10/em-defesa-da-doutrina-bblica-da.html

http://anchietacampos.blogspot.com/2007/10/em-defesa-da-doutrina-bblica-da_05.html

http://anchietacampos.blogspot.com/2007/10/em-defesa-da-doutrina-bblica-da_4846.html

Espero que eles possam lhe ajudar em algo.

Abraço.

Anchieta Campos