quinta-feira, 6 de março de 2008

Em defesa da CGADB e do Ministério bíblico

Dois sábados atrás (23/02) me deparei com uma propaganda, logo após o programa “Movimento Pentecostal” da CGADB/CPAD, transmitido pela RedeTV, de um curso de Pastor, com “carteirinha de Pastor” e tudo mais que tem “direito”, tudo reconhecido (e promovido) por uma tal de CGIADB (mais uma?!), a mais nova “Convenção Geral” que usa o tão abençoado e conhecido nome da Assembléia de Deus. O que me chamou a atenção é que o “curso profissionalizante” da referida instituição dura apenas 6 (seis) meses (pense numa velocidade)! Outro fato interessante (engraçado) é a propaganda que eles usavam: “vocês que tem um chamado de Deus e não tem oportunidade em sua igreja, venha! Faça o seu curso de Pastor conosco e tenha uma igreja com mais de 500 membros!”. Acho que eles devem usar o método de células do G12 para chegar a um número assim!

Eu já havia lido algo a respeito da referida “convenção” e do “curso de Pastor”, mas fazia tempo e pensava que o negócio havia silenciado, até me deparar com a dita propaganda. Mas o que me deixou alegre fora a resposta, ou melhor, as respostas dadas a esse grupo, ambas neste último sábado (01/03); a primeira vinda no programa “Vitória em Cristo” do Pr. Silas Malafaia (2º Tesoureiro da CGADB), aonde o mesmo censurou no final do programa o modo de promoção e ordenação de pastores por meios fáceis, ilegítimos e anti-bíblicos. Logo em seguida o programa “Movimento Pentecostal” abriu e encerrou o seu horário com também um alerta sobre a referida instituição e seus modos nada bíblicos para promoção de pastores, líderes e formação de novas denominações evangélicas (que já são ‘poucas’ não?!), realizando uma verdadeira apologia à rebeldia, divisão e interesses seculares.

Nada contra o crescimento e expansão da obra do Senhor, mas o que tem de “ministérios” que usam o nome da Assembléia de Deus não é pouca coisa. E se formos para as demais denominações, ‘vixe’, aí é que piora o negócio! São milhares, milhares mesmo em todo o Brasil. E a cada dia nascem outras dezenas. Agora eu pergunto: Deus está mesmo no meio disso? A resposta para o mais simples leitor da Bíblia é: com certeza que não! Essas divisões e inumeráveis denominações não passam de escândalo para os ímpios e de motivo de confusões, dúvidas e desvios para os novos convertidos, além de muitos “maduros” na fé. Tudo tem limite! Esse exagero denominacional foge dos padrões éticos e morais, bem como da idéia de Cristo para a sua Igreja. Todo este cenário é o fruto do afastamento da Palavra por parte de muitas igrejas, com heresias e ensinos que desestabilizam a unidade que é encontrada e sustentada apenas na Palavra de Deus (Rm 16:17,18).

“Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos” Rm 12:16.

“Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer” 1 Co 1:10.

“Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que vos foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo; Os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores que andariam segundo as suas ímpias concupiscências. Estes são os que causam divisões” Jd 1:17-19.

“Não nos gloriando fora da medida nos trabalhos alheios; antes tendo esperança de que, crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós, conforme a nossa regra, para anunciar o evangelho nos lugares que estão além de vós e não em campo de outrem, para não nos gloriarmos no que estava já preparado” 2 Co 10:15,16.

Segue-se abaixo o alerta veiculado no “Mensageiro da Paz” de março, o qual é basicamente o alerta veiculado no “Movimento Pentecostal”:

“Tendo em vista a divulgação de certa entidade, de nome congênere à Convenção Geral das Assembléia de Deus no Brasil (CGADB), com a nítida intenção de aproveitar-se disso, informamos:

1) Não temos qualquer vínculo com essa entidade bem como com seus representantes;
2) Não a reconhecemos;
3) Não cobramos ou divulgamos publicamente arrecadação de fundos;
4) Não reconhecemos e tampouco aprovamos essa forma de diplomação ou nomeação de ministro, totalmente antiética e anti-bíblica;
5) Não incentivamos nenhum obreiro, auxiliar de trabalho ou cooperador à rebeldia, a procurar meios escusos para chegar ao ministério, pois devemos seguir os preceitos bíblicos que alerta:

“... sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis”; “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” e “E ninguém toma para si essa honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão”, 1Tm 2.15; 2Tm 3.10 e Hb 5.4.

Alertamos a todos os nossos membros, em especial líderes de Convenções Regionais e Ministérios, a que informe seus ministros, oficiais e auxiliares em geral, para que não cedam às essas práticas, pois nenhum curso que não seja autorizado pela CGADB será por ela reconhecido.

Pr. José Wellington Bezerra da Costa
Presidente”

Com amor em Cristo e querendo ver sempre o bem para a Igreja do Senhor,

Anchieta Campos

8 comentários:

Lucimauro*Assembléia de Deus disse...

A paz do senhor,meu amado!
É triste essa situação,vermos pessoas desconpromissadas com a obra de Deus escandalizando a obra do senhor,quando ví o site dessa suposta cgiadb fiquei horrorizado pois ví tamanha rebeldia por parte desses obreiros fraudulentos,na mesma hora enviei um e-mail para o pastor Isael de araújo que me esclareceu quanto a essa suposta nova convenção e tudo que ele me disse realmente confirma a sua postagem,parabéns pelo pensamento bíblico,ortodoxo,defensor de nossa querida assembléia de Deus que ao longo dos anos vem sendo perseguida por obreiros que se aproveitam para ganhar dinheiro usando essa instituição que nasceu debaixo de oração,sinceridade etc...
Esses pastores precisam tomar vergonha na cara procurar um emprego que dignifica o homem,chega de querer usar a assembléia para ganhar dinheiro,tudo isso vai ser cobrado por aquele que tem os olhos como chama de fogo.
Daquele que ama a assembléia de Deus e seus orgãos históricos.

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Lucimauro, a Paz do Senhor!

Seu comentário complementa bem o meu post. É triste vermos situações como essas no meio evangélico (esses elementos podem ser evangélicos, mas não crentes lavados e remidos no sangue de Jesus). Mas tudo isto já era de um certo modo esperado, por aquilo que podemos ler na Palavra de Deus.

"E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita" 2 Pedro 2:3.

Deus o abençoe grandemente irmão Lucimauro!

Anchieta Campos

Leila Emidia disse...

Gostei, muito bom !

Anchieta Campos disse...

oi abençoada irmã Leila, obrigado pelas suas sempre constantes participações!
Que bom que está com um blog também. Isso é muito bom! Deus te abençoe grandemente doutora! hehe..
Fica na Paz do Senhor!

[Como Viveremos] disse...

Prezado Anchieta,

Ótimo post.

Esse dita "Convenção" nada mais é que um grupo de pessoas em busca de dinheiro de pessoas de boa fé.

É um grupo espúrio que tenta fazer do evangelho um tipo de negócio financeiro, como disse Pedro, "E farão de vós negócio, com palavras fingidas vos enganarão".

Na paz

Valmir

Anchieta Campos disse...

Nobre irmão Valmir Nascimento, a paz do Senhor.

Muito me legra sua ilustre presença em meu humilde blog. Fatos como estes devem ser noticiados e repelidos pela igreja do Senhor, pois é algo, como fora exposto no artigo, que fere os ensinos e princípios bíblicos.

Os interesses humanos devem sempre dar espaço para com a soberana vontade e propósitos do Eterno Deus.

Abraços.

Anchieta Campos

Anônimo disse...

amado irmao...a paz do senhor jesus!


realmente é uma vergonha isso...(compra de credenciais)

estamos no final mesmo!



deus abençoe+e+!!!

Anchieta Campos disse...

Caro Anônimo, saudações.

Favor identificar-se da próxima vez. Fora isto, concordo com você que é uma vergonha, e de que realmente estamos vivendo tempos trabalhosos que apontam para a volta de Cristo.

Obrigado pela participação.

Anchieta Campos