terça-feira, 24 de junho de 2008

Por um correto uso das Sagradas Escrituras

O objetivo maior de um genuíno cristão, aquele que é herdeiro dos princípios da Reforma Protestante do século XVI, será sempre o de honrar, acima de tudo e de todos, a Palavra Escrita de Deus. A Bíblia é a nossa regra maior de fé e conduta humana, nossa fonte primária de doutrina. Ela se encontra no topo da Igreja, todo e qualquer ensino e prática devem estar em total conformidade com uma correta e imparcial exegese e hermenêutica da mesma; em suma, usando uma linguagem mais informal: a Bíblia manda e desmanda mesmo.

Destaque-se também (como já fora dito algumas vezes neste blog) que o principal motivo para o surgimento de heresias e modismos nada ortodoxos no nosso meio evangélico, é a falta de uma correta interpretação bíblica, de um correto uso dos Sagrados Escritos. Falta em grande parte dos pastores, pregadores e cantores do nosso meio (os formadores de opinião, principalmente entre os jovens e os incautos) noções de interpretação bíblica. Falta teologia mesmo!

É comum vermos irmãos usando versos e passagens isoladas do Antigo Testamento e sem nenhuma correspondência no Novo Testamento para fazer verdadeiras “eixegeses”, onde em vez de tirarem o significado do texto bíblico, acabam por deturpá-lo e inserindo ensinos que não fazem parte da Bíblia, cite-se como exemplo os defensores da dança no culto cristão (dança esta sempre motivada por ritmos de louvores que mexem mais com a carne do que com o espírito), os que apóiam o uso de “palmas para Jesus” como parte integrante da adoração, os que defendem que o líder da uma igreja local possa exercer ao mesmo tempo alguma outra função secular, principalmente a da política (ver meu post Pastor em ativa e a ocupação de cargo político), além de inúmeros outros desvios mais sérios e graves.

Gostaria, portanto, de apenas meditar em algumas passagens que o Espírito Santo me levou, para que possamos ter ao menos uma noção de como devemos usar as Sagradas Escrituras. Para tanto tomarei como texto base At 17:11: “Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim”. Este verso nos mostra, com objetividade singular, como deve ser o correto uso das Sagradas Escrituras, tanto na pregação quanto na interpretação. O cerne do artigo se encontra na parte “examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim”, principalmente a expressão “Escrituras”. Aprendemos aqui que toda e qualquer pregação (inclusive a de Paulo) era submetida ao crivo da Palavra; aprendemos além disto, e é o que quero destacar, que os beréianos utilizavam “as Escrituras”, isto mesmo, no plural, ou seja, não se detinham apenas a um único ou poucos livros do AT, mas a todos, as Escrituras, aos livros que compõe o AT. E o que isso significa? Significa que eles analisavam o todo, realizavam combinações de livros, passagens, para terem a correta idéia da doutrina bíblica, pois eles sabiam que o conjunto de todos os livros é que fornece sustentação a um ensino classificado como doutrina, e não apenas passagens isoladas, que quando mal usadas causam enormes prejuízos para o povo de Deus.

Aprendo também que Paulo em seus sermões para com os crentes de Beréia não se utilizava apenas de um livro vero-testamentário ou de passagens isoladas, mas de todo o AT, pois os beréianos analisavam “as Escrituras” para conferir as palavras de Paulo, dando a entender que Paulo se utilizava do AT como um todo para formar suas doutrinas.

A Bíblia faz uma distinção entre “Escritura” e “Escrituras”, onde a primeira se refere apenas a um único livro da Bíblia, enquanto que a última se refere ao todo ou a um conjunto de livros bíblicos (cf. Mt 26:56 “Mas tudo isto aconteceu para que se cumpram as escrituras dos profetas). É o que podemos perceber ao lermos Lc 4:17:21: “E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos, e restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do SENHOR. E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”. Aqui Jesus leu o livro de Isaías, e usou-se o termo “Escritura”, no singular. Ler também At 8:26-35, que está no mesmo sentido.

Nós, como cristãos, devemos sempre fazer uso do todo, do conjunto bíblico, para que possamos sempre ter a correta interpretação bíblica, evitando assim as destrutivas heresias e modismos. Como bem gosta de falar o Pr. Silas Malafaia: “texto sem contexto é pretexto” .

A Bíblia é clara em defender o uso de todo o conjunto bíblico. É extremamente útil citar Lc 24:27,44: “E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras. E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos. Aqui Jesus fora claro, não deixando dúvidas sobre o tema em questão. Ele começou por Moisés (o Pentateuco), passou por todos os profetas (os maiores e menores), explicando o que dele se achava em “todas as Escrituras”; no verso 44 Jesus usa as expressões “lei de Moisés” (o Pentateuco), “profetas” (maiores e menores) e “Salmos” (incluindo aqui os livros poéticos). Jesus simplesmente usou todo o Antigo Testamento em sua hermenêutica! Com certeza também devemos imitá-lo e usar toda a Bíblia para obtermos uma correta e mais abalizada interpretação bíblica.

É a Bíblia (como um todo) que testifica de Cristo e nos conduz e nos torna sábios para a salvação (cf. Jo 5:39 e 2 Tm 3:15).

Como bem disse Jesus: “Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus” Mt 22:29.

Anchieta Campos

2 comentários:

james disse...

A Graça e a Paz estejam convosco, jovem irmão Anchieta.

Louvado seja o Senhor Deus que, por sua infinita misericórdia nos tem revelado os mistérios de seu grande Amor...

Graças Lhe rendemos, pois, fala-nos através de jovens humildes, que, com sabedoria, expõem a mais pura e verdadeira Palavra de Deus...

Através deste vosso relato testemunho, podemos entender que, a falta de entendimento das Sagradas Escrituras se prendem ao fato de que, conforme o amado apóstolo Paulo exortando à Tito sobre a repressão aos falsos doutores, assim afirma "Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados."

Que Deus abençoe ao amado e aos seus ricamente.

Fraternalmente.

James.

Anchieta Campos disse...

Nobre irmão James, a paz do Senhor Jesus.

Seus comentários sempre ricos e generosos para com a minha simples pessoa. Deus seja louvado por isso.

Ter leitura bíblica e algo que quase a totalidade dos evangélicos possuem, mas entendimento bíblico é algo que uma minoria detém. Não basta apenas orar pedindo a orientação do Espírito Santo, o crente tem que se conscientizar que também é necessário fazer uso de recursos de interpretação, citem-se o gramatical ou literal, o sistemático, o teleológico e o histórico.

Somente assim teremos uma interpretação mais pura e ortodoxa dos Sagrados Escritos.

Obrigado pela sua ilustre visita.

Deus abençoe ao amado e aos seus grandemente, em nome de Jesus. Amém.

Abraços fraternos.

Anchieta Campos