segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Dançar no espírito? Dança como adoração?

Estava eu certo dia (não muito distante) em um culto campal aqui em Pau dos Ferros, quando ouvi uma cantora que já se encontrava cheia (não do Espírito, mas com uma vontade bem exótica para um culto) falar ao microfone: “Oh vontade de dançar irmãos!!”. Quando escutei tal afirmação logo pensei que iria ver alguma performance de adoração extravagante através da dança, imaginando a irmã dando uns rodopios, umas batidas de pé, ou, quem sabe, com muita falta de sorte, talvez ela fizesse algumas “estrelinhas” ou “plantasse uma bananeira”. Em seguida ela soltou: “Vamos dançar no espírito!!”; imediatamente eu já olhei ao redor em procura de uma irmã para ser meu par na dança! Que situação!

Temendo que a irmã realmente viesse a por em prática a sua fala, fiz uma curta oração comigo mesmo: “Senhor, é um culto campal, tem muito incrédulo vendo; peço a sua intervenção para que não permita que essa ‘abençoada’ venha a dar uma de dançarina aqui hoje. Em nome de Jesus. Amém”. Não sei se foi por minha oração, mas o importante é que a cantora resolveu ficar sendo só cantora. Aleluia!

A dança, até onde tenho conhecimento da história da Igreja, nunca fez parte da liturgia do culto de adoração a Deus, vindo somente a ser introduzido como meio de “adoração” de um tempo recente para cá. A bem da verdade, não há nenhuma passagem no Novo Testamento que relate o uso da dança pela Igreja no culto formal ao Senhor, bem como não há nenhum indício que a dança seja um meio de adoração a Deus.

A dança é gerada e desenvolvida por um estímulo notadamente externo, qual seja, a batida e o ritmo da música, suplantando assim de cara a letra e o conteúdo da canção, bem como desvirtuando a essência da adoração a Deus, a qual deve ser em espírito e em verdade (Jo 4:23,24), i.e., interna, movida pelo espírito, pelo íntimo de cada um, e não pela batida e ritmo de uma música, os quais embalam mais a carne do que o espírito.

Os elementos bíblicos do culto a Deus são expostos em 1 Co 14:26 “Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação”. Onde está a dança? Em lugar nenhum! O apóstolo Paulo, fazendo referências sobre a adoração ao Senhor, assim se expressa em Ef 5:19 “Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração”. Mais uma vez a dança não é mencionada!

Na verdade a adoração está majoritariamente relacionada com o louvor, devendo este ser sempre externado por um coração sincero e devoto a Deus, cf. Cl 3:16 “A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao SENHOR com graça em vosso coração”. Percebe-se novamente, através deste importante versículo, que não se vê nenhuma menção a dança como forma de adoração a Deus, ou como sendo algo edificante (ensino e admoestação).

E quanto às danças de Davi e Miriã? Destaque-se de pronto que as mesmas não foram realizadas em um culto coletivo a Deus. Outro fator importante é que o próprio Davi, por oportunidade em que estabelecia a sistemática organizacional do culto a Deus, não instituiu a dança como parte integrante da liturgia do mesmo (1 Cr 6:31,32; 1 Cr 25). Por fim, essas danças foram motivadas prioritariamente por uma alegria de cunho patriota, pela vitória de Israel sobre os seus inimigos. Assim já se expressou o pastor e escritor assembleiano Ciro Sanches: “Não só a dança de Davi, mas a de Miriã, também muito citada pelos “revolucionários”, foram atos à parte, fora do culto, patrióticos, pelos quais eles extravasaram a sua alegria. O Senhor não os condenou por suas danças, mas elas também não passaram a fazer, a partir de então, parte do culto coletivo a Deus”.

A dança, historicamente, nunca esteve relacionada com a Igreja do Senhor, sendo nada mais nada menos do que uma das formas do processo de secularização pelo qual a igreja evangélica está passando nestes últimos tempos. Lembremos por fim que o nosso culto a Deus deve ser feito nos moldes de 1 Co 14, sob o fundamento da ordem e decência, de modo que não venha a ser escândalo para ninguém (1 Co 10:32).

Com amor,

Anchieta Campos

18 comentários:

Gláuber disse...

Realmente a dança é uma manifestação de alegria e n há registros bíblicos da sua existência na liturgia dos cultos.
O que deve se ter em mente é que tudo tem seu lugar, seu tempo e deve ser executado de acordo com a decência (n quero ser chato). Devemos usar um pouco a cabeça. Uma valsa numa formatura ou casamento, uma dança alegre num momento festivo na família, uma comemoração a uma boa conquista. São muitas as razões para se dançar. O problema na dança, é quando ela é executada com um cunho sexual e fora do casamento. Porque dentro do casamento pode!
Opnião modesta de um pouco conhecedor se comparado ao escritor deste blog. Abraço meu amigo!

Anchieta Campos disse...

Caro amigo e irmão em Cristo, Glaúber Ferreira, a paz do Senhor.

"Uma valsa numa formatura ou casamento, uma dança alegre num momento festivo na família, uma comemoração a uma boa conquista. São muitas as razões para se dançar". Concordo plenamente. Tanto é que citei a dança de Davi e Miriã, no sentido de não terem sido reprovadas por Deus.

O que quis expor neste artigo é que não há fundamentos bíblicos para se usar a dança como forma de adoração a Deus, o que geralmente ocorre nos cultos de igrejas pentecostais, quando quem está dançando se diz "cheio do Espírito".

Você demonstrou de cara ter entendido (como sempre) o objetivo deste artigo, ao escrever no início: "Realmente a dança é uma manifestação de alegria e n há registros bíblicos da sua existência na liturgia dos cultos". A conclusão correta é realmente essa.

So não entendi muito bem o que vossa ilustre pessoa quis dizer com "fora do casamento. Porque dentro do casamento pode". Quando estivermos filosofando pessoalmente trataremos desta observação (risos).

Por fim, todos que nos conhecem sabem que você é que é detentor de um conhecimento ímpar e bem mais elevado que o meu.

Forte abraço caro amigo. É um prazer ter seus comentários por aqui.

Anchieta Campos

Gláuber disse...

Me refiri, com relação ao ponto incontroverso destacado, a dança sensual, erótica, está pode ser praticada dentro do casamento.
Abraço caro amigo.

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Gláuber,

Está esclarecido! Também concordo com sua observação.

Abraço prezado amigo.

Anchieta Campos

claudio pimenta disse...

Por que pelo ceara mais precisamente no suburbio de fortaleza tem igrejas que quando os crentes chegam ! se vierem de chinelas jogam logo o montao de chinelas no canto da igreja(salao) e ao iniciar os corinhos de fogo (que fogo) desceu miguel desceu gabriel ( eles descem mesmo ?)
sao quase meia hora de dança,pinote,cangapé ungido etc.

Agora vai dizer que é apenas emoçao se nao somos tachados de cao,capiroto,gelado,geladeira,increu! etc.

Uns respondem logo : É MISTERIOS ,SÓ PRA QUEM CRÊ!

eu nao creio
desculpe o grito
é que fico indiguinado!

Bela postagem muito equilibrada

www.exejegues.blogspot.com

Anchieta Campos disse...

Prezado irmão Cláudio, a paz do Senhor.

Seu "grito" é totalmente compreensível. Na verdade é um grito que muitos crentes sérios gostariam de dar!

Infelizmente esses modismos "pentecostais" atingem mais os indoutos, haja vista a falta de cultura bíblica que é marca tradicional nos mesmos. São tantas manifestações exóticas que daria para fazer um livro!

Nós, como conhecedores da ortodoxia bíblica, devemos nos manter sempre contrários a estas aberrações pneumatológicas, admoestando com paciência os que não tem conhecimento.

No demais, muito obrigado por sua rica intervenção. Sinta-se sempre bem para participar.

Abraço.

Anchieta Campos

Clóvis disse...

Anchieta,

Só posso lhe dizer uma coisa:

Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap!

Que o Senhor o preserve assim, um profeta no sentido mais bíblico do termo. Nós pentecostais precisamos de pessoas com posicionamento como o seu.

Em Cristo,

Clóvis
Cinco Solas

PS.: Não sou anti-dança. Gosto de assistir números de dança e lamento não saber dançar. Mas dança não tem lugar no culto neotestamentário, como bem explicou o irmão.

Anchieta Campos disse...

Prezado Clóvis, a paz do Senhor.

Que grande alegria contemplar sua nobre participação neste humilde espaço. Estou devendo comentários em seu rico espaço.

É motivo de muita honra e estímulo receber palavras como essas, especialmente vindas de uma pessoa que nem você.

Como bem o irmão percebeu, também não sou anti-dança, mas tão somente não a vejo como um elemento da liturgia/adoração cristã.

Forte abraço.

Anchieta Campos

monyque disse...

Paz do Senhor ( principalmente pra Anchieta e Glauber,nao excluindo os outros irmãos.) ...Sempre tive essa duvida dentro de mim . " meu Deus quando eu me casar como será ... nao vou poder dançar nem fazer nada de diferente dentro do casamento ô Senhor me dá uma luz me mostra !!"
Bom saber q dentro do casamento a dança é "permitida" . Valeu ..
Obs : nao sou casada-rs ..
(14 anos ).

Anchieta Campos disse...

Irmã Monyque, graça e paz.

Sinceramente, como já dito, não vejo nenhum mal no uso da dança em certas ocasiões. Verdadeiramente não podemos ser tão "tradicionais" assim.

Por fim, ainda bem que a irmã, com seus apenas 14 anos, não é casada (risos).

Deus te abençoe cada vez mais. Amém.

Anchieta Campos

Anônimo disse...

Tenho pesquisado ,com a direção de Deus, muito acerca desse assunto,só chego a conclusão de que há muito emocionalismo ,carnalidade e sensacionalismo no meio cristão,concerteza não existe nenhum modelo desse nas Sagradas Escrituras,Jesus não pregava assim ,os apostolos também não,tem muita gente enganada,muita gente indo atráz de sinais,temos que verdadeiramente Examinar as Ecrituras .Na igreja que congrego vejo sempre essas coisas ,o que posso fazer?

Anônimo disse...

Caro Anchieta


Te respeito muito mas não concordo com comentarios de alguns irmãos, penso que quem vai julgar o homem é Deus será que essas pessoas que horrorizam das igrejas que dançam no culto não cometem coisas piores? devemos respeitar cada ministerio a maneira de cada um ser, na minha Igreja existem irmaos que dançam outros não mas não vejo um mais santo que outro apenas pessoas adorando a Deus com ordem e decencia. já fui na tua denominação aqui na minha cidade e respeito a posição de voces essa questão é muito peculiar, no livro de Romanos Cap 14 - 4 ao 12

Anônimo disse...

O comentário acima é direcionado ao Claudio Pimenta. que ele leia Romanos cap 14 vers 4 e vers 10. No restante o Blog é otimo Parabens.

claudiopimenta disse...

anonimo por gentileza mostre a casa e verdaderia !

claudiopimenta disse...

anonimo ou anonima rs! rs! nao vou nem ler se observar o contexto de romanos 14 trata de uma coisa completamente diferente voce sabe o que e exejese ?

claudiopimenta disse...

anonima ou será anonimo ? sabe o que e contexto ? o contexto ai trata de algo comlletamente diferente de dança! kkk

Micheline Gomes disse...

Paz!

Muito bom o artigo! Estou te seguindo.
Se desejar seguir-me: www.michelineblogs.blogspot.com

Anchieta Campos disse...

A paz, irmã Micheline Gomes.

Obrigado pela participação.

Já estou te seguindo também no blogger.

Anchieta Campos